Protocolo de Quioto e os Créditos de Carbono

O que é o Protocolo de Quioto, o porquê dos EUA não ter aderido ao acordo e como funciona os chamados créditos de carbono referente a emissão de gases poluentes.

» Página Inicial

As alterações no clima vêm trazendo preocupações a pesquisadores e governos em todo o mundo. Embora existam algumas divergências sobre o assunto, já que alguns argumentam que devido a medição ser recente, o agravamento do efeito estufa já vem a alguns anos gerando problemas ambientais no planeta Terra, como o derretimento de geleiras, aumento na temperatura em todo o planeta, aumento do nível no mar, entre outros.

O efeito estufa é um processo que ocorre quando uma parte da radiação infravermelha emitida pela superfície terrestre é absorvida por determinados gases presentes na atmosfera. Como consequência disso, o calor fica retido, não sendo libertado para o espaço.

A mudança de temperatura da terra é a mais preocupante, desde 1800 a temperatura média global aumentou 0,74º C e estimativas mostram que até o ano 2100 a temperatura poderá aumentar de 1.8º C a 4º C, se nada for feito agora.

O Protocolo de Quioto

Na intenção de minimizar e estabilizar esses danos causados pelo efeito estufa foi criado o Protocolo de Quioto, que se trata de um acordo internacional onde a intenção é a de reduzir a emissão de gases que contribuem no agravamento do efeito estufa, protocolo este que foi assinado por 55 países. O Protocolo de Quioto foi debatido no Japão em 1997 e entrou em vigor apenas no ano de 2005 devido a última assinatura ter sido dada pela Rússia somente em 2004 e desde então muitas mudanças vem sendo impostas.

o Protocolo de Quioto, que se trata de um acordo internacional onde a intenção é a de reduzir a emissão de gases que contribuem no agravamento do efeito estufa

O Protocolo de Quioto é de um comprometimento, que entre o ano de 2008 até 2012 os países que integravam o Protocolo de Quioto atingissem uma redução de pelo menos 5,2% dos gases do efeito estufa em relação aos níveis de 1990, porcentagem que se altera para cada país de acordo com sua extensão territorial dentre outros fatores agravantes ao efeito estufa. Ainda a proposta do protocolo era a de que essa redução deveria partir de grande parte ou se possível todas as atividades economicas de cada país, então algumas sugestões de mudanças foram dadas, tais como:

Para realizar tais mudanças e cumprir com o Protocolo muitos investimentos teriam de ser feitos além de implicações nos lucros financeiros em determinados seotores, em compesação o meio ambiente e a qualidade de vida melhoraria muito. Então os EUA governado por Bush na época não assinou o Protocolo de Quioto, alegando que se comprometer com o Protocolo seria o mesmo que se comprometer com um declínio na economia do país. No entanto, mesmo o não comprometimento dos EUA com o protocolo algumas cidades e estados procuraram soluções de redução de gases do efeito estufa para implantarem nas indústrias, contanto que não sofressem prejuízos. E em 2009 com a eleição de Barak Obama como novo presidente, o Protocolo de Quioto foi enviado ao Senado para apreciação o mais rápido possível.

O protocolo forneceu vários meios para os países alcançarem seus objetivos. Uma abordagem foi fazer uso de processos naturais, chamados “sumidouros”, que removem gases de efeito estufa da atmosfera.

Os automóveis são grandes fontes poluidoras

Créditos de Carbono

Créditos de Carbobmo são certificados emitidos para uma pessoa ou empresa que reduziu a sua emissão de gases do efeito estufa. Na prática comprar Créditos de Carbono significa negociar uma permissão para emitir gases ppoluentes ao invés de ter de pagar uma multa por fazer a emissão dos gases sem autorização. No entanto, existem controversas em relação aos créditos de carbo, em que uns alegam ser de contribuição com a economia e não com o meio ambiente, porém outros afirmam que essa liberação está em conformidade com as propostas de redução dos gases do efeito estufa estipulado pelo Protocolo de Quioto.O objetivo final dos créditos de carbono é reduzir a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera.

Como funciona um crédito de carbono

Um crédito de carbono é fundamentalmente uma permissão - emitida por um governo ou outro órgão regulador - que permite ao seu detentor queimar uma quantidade específica de combustível de hidrocarboneto durante um período especificado. Cada crédito de carbono é avaliado contra uma tonelada de  combustível de hidrocarboneto. Empresas ou países recebem um certo número de créditos e podem negociá-los para ajudar a equilibrar as emissões totais no mundo.

Exemplo de crédito de carbono

Sob o programa de limitar e negociar ou emissões, uma empresa que esteja emitindo menos do que seu limite pode vender seus créditos não utilizados para outra empresa que esteja excedendo seu limite. Por exemplo, a empresa A tem um limite de 10 toneladas, mas produz 12 toneladas de emissões. A empresa B também tem um limite de emissão de 10 toneladas, mas emite apenas oito, resultando em um excedente de dois créditos. A Empresa A pode comprar os créditos adicionais da Empresa B para permanecer em conformidade.

Referência: https://pt.wikipedia.org/wiki/Usu%C3%A1rio%3aXico_CLJ/Livros/Meio_Ambiente

https://educacao.uol.com.br/disciplinas/geografia/protocolo-de-kyoto-paises-se-comprometeram-a-reduzir-emissao-de-gases.htm


 
Veja também: