História da política brasileira, principais acontecimentos

Veja os principais acontecimentos que marcaram a história da política brasileira, como a independência, abolição da escravatura, proclamação da república, os impeachments e a polarização entre o movimento de esquerda e direita no Brasil.

» Página Inicial

Pode-se dizer que a história da política brasileira se divide em três fases:

O Absolutismo Colonial, o Parlamentarismo da Monarquia Unitária e o Presidencialismo da República Federativa.

No Absolutismo Colonial o destino do Brasil dependia da vontade soberana dos reis de Portugal. Já no Parlamentarismo da Monarquia Unitária o governo era exercido por imperadores hereditários os quais eram auxiliados por gabinetes dependentes do parlamento popular.

No Presidencialismo da Republica Federativa, o governo é constituído pelo povo e para o povo e é o regime que vigora no Brasil desde a Proclamação da República até os dias de hoje.

Neste sistema o chefe supremo do governo não é hereditário, desta forma a República é uma legitima forma de democracia. O chefe supremo é escolhido pelo povo por um tempo limitado e o Congresso Legislativo também é eleito por uma escolha nacional.

A República Brasileira é Federativa. Possui autonomia nas várias circunscrições territoriais em que se divide o país. Na democracia brasileira a Constituição rege os direitos garantindo o desenvolvimento do homem respeitando a liberdade. O poder é limitado pelas leis e o povo intervém diretamente ou indiretamente.

História política brasileira

Foram muitos os acontecimentos políticos que marcaram o país, destacamos alguns:

Independência do Brasil

D. Pedro I se enfurecera porque recebera a notícia que Portugal anulara a Assembléia Constituinte e o mandava voltar à metrópole. Aos sete de setembro de 1822, às margens do rio Ipiranga, o príncipe regente proclamou a independência do país. O fato marcou o fim do domínio português e a autonomia política brasileira. No entanto, este fato embora marcante não mudou significativamente a estrutura social do país. Ainda havia trabalho escravo, os pobres continuaram marcados pela desigualdade e somente a elite agrária se beneficiou com o acontecimento.

Abolição da escravatura

Quando os portugueses iniciaram a colonização do país não havia mão-de-obra disponível para os trabalhos como na agricultura, por exemplo. Como utilizar os índios não deu certo, optaram como os demais europeus por ocupar dos negros africanos como escravos. Em 1888, a princesa Isabel, proclamou a Lei Áurea, onde os negros se tornaram livres. A luta agora era conseguir emprego e condições de vida digna e sem preconceitos entre os brancos que continua até hoje.

Proclamação da República

Ao final de 1880, a monarquia brasileira estava em crise. Havia a necessidade crescente de mudanças que favorecessem a todo o povo brasileiro e a progredir economicamente, e com a monarquia isto era praticamente impossível. Havia corrupção na corte, a classe média agora em ascensão contava com estudantes, profissionais liberais, intelectuais entre outros que almejavam participar também dos assuntos políticos brasileiros. Esses e outros fatos contribuíram para que ficasse insustentável a monarquia no Brasil. Então, aos 15 de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca, apoiado pelos republicanos, declarou a verdadeira independência do Brasil constituindo um governo provisório e mandando de volta à Portugal toda a família real.

Ditadura

A partir da república o país começou a crescer, mas vieram novos problemas sociais, políticos. O povo antes participante da democracia, com poder de voto foi surpreendido pela tomada pelos militares. Foi período da ditadura militar, entre 1964 a 1985. A intenção fora ajudar o país a tornar-se um país forte economicamente com uma ordem estabelecida. No entanto, foi o período negro da democracia brasileira, os direitos constitucionais foram ignorados, a censura estabelecida, houve ferrenha perseguição política e repressão aqueles que se opunham ao regime militar.

Diretas Já

Foi o movimento político que marcou o desejo do povo pela volta da democracia. Houve muitas manifestações populares e os nomes que marcaram esta época foram Fernando Henrique Cardoso, Tancredo Neves, Ulysses Guimarães, Mario Covas, Luís Inácio Lula da Silva entre outros.

Em 1989, as eleições diretas retornaram e o povo, após tantos anos, pode votar novamente para presidente do Brasil e a Constituição de 1988 foi restabelecida.

A democracia brasileira não é uma das mais brilhantes, mas pode-se firmar que é uma das mais modernas do mundo.

Os impeachments

Não história mais recente da política brasileira dois fatos ganharam uma atenção especial que foram os afastamentos ou impeachment de Fernando Collor e mais recentemente de Dilma Rousseff.

O afastamento de um presidente da república é um fato muito relevante e grave ao mesmo tempo, mas quando acontece dois em um período relativamente curto entre um e outro indica uma situação mais grave ainda e foi assim que muitos analistas viram com bastante preocupação o fato de ocorrer dois em um período tão curto de tempo no Brasil.

Para muitos isso mostra que a democracia brasileira ainda é muito frágil. No caso de um afastamento político, existem razões para isso, mas também há muitos interesses políticos envolvidos e isso gera um pouco de incertezas e preocupações por parte de analistas políticos e sobretudo por investidores, já que esses dependem de estabilidade econômica para poder investir seus recursos.

Polarização: esquerda versus direita

O fato recente mais relevante na história política do Brasil é certamente a polarização entre o movimento de esquerda de direita que se instalou no Brasil nas últimas décadas.

Esta relação começa ganhar força com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002. Por fazer parte de um partido de esquerda, Lula chegar ao poder com muito prestígio e é a esperança de milhares de brasileiros que apostam no ex-sindicalista como a solução para resolver os graves problemas sociais que o Brasil tem.

Lula é reeleito em 2006 e depois ainda faz a sua sucessão de Dilma Rousseff, do mesmo partido, para mais dois mandatos. É inegável que houve avanços na área social nesta época, como a criação do programa Minha Casa Minha Vida que permitiu financiar imóveis com condições mais favoráveis para pessoas de baixa renda e também a criação do programa Bolsa Família que foi um dos grandes marcos desses governos de esquerda.

Vale lembrar que o ex-presidente Lula chegou a ser preso depois de ser condenado pelo juiz Sérgio Moro na chamada Lava Jato que foi uma grande investigação de corrupção na Petrobrás e nos diversos segmentos da política nacional.

Com afastamento de Dilma Rousseff, o que veio a seguir foi o outro extremo, ou seja a direita. Em 2018 a eleição de Jair Bolsonaro a presidência da República do Brasil, foi um fato inédito, já que o candidato que defende a extrema direita tinha propostas muito revolucionárias e visava exatamente o oposto que os seus antecessores fizeram. Proponha a liberdade econômica e combatia com muita veemência o modelo progressista que o Brasil vinha adotando nos últimos tempos, especialmente na área da educação, na influência nas famílias e na chamada velha política.

Na data desse artigo, o governo de Jair Bolsonaro ainda estava vigente e muito das propostas que ele trouxe na campanha, ainda não foram efetivadas, mas tensão entre esquerda e direita é extremamente forte e reflete com muita intensidade em alguns segmentos.


 
Veja também: